sexta-feira, 31 de julho de 2009

Eu Voltei da Ilha de Lost - Parte 1


Observação Importante:

O presente texto não visa menosprezar de forma alguma as decepções que tive em minha recente viagem à Fazenda Boa Sorte, no Município de Corguinho, interior do Mato Grosso do Sul, pelo contrário. É uma visão jornalística, fria e clara do que eu vi ou tentei realmente ver. Quando falo em “Lost” alusão a serie de TV, significa exatamente isso, não se sabe se o que as pessoas alegam são fenômenos físicos, psíquicos ou mesmo espirituais (para quem acredita), que estariam agindo na região e não uma bagunça como o título possa sugerir para que não conhece a serie. É muita gente, muitas visões, muitas teorias, muito fanatismo de alguns e eventualmente, discussões acirradas entre algumas pessoas. Ainda, somente um idiota tem certeza de tudo o tempo todo e há muitas pessoas assim lá inclusive se achando cientistas. Ciência verdadeira é discussão, é critica, é duvida sobre os fatos mais claros. Quem aceita de mão beijada as informações não pode ser considerado cientista, mesmo que as fontes sejam "fieis".

Ciência também não é circo e não se deve fazer experimentos envolvendo pessoas despreparadas. Mesmo assim, vale a viagem até este local. Mas vá como se não soubesse de nada e tente entender o que lhe é repassado. Mas atenção, esta viagem é altamente desaconselhável para pessoas impressionáveis.




Exibir mapa ampliado

Vou procurar relatar as coisas que ocorreram quando de minha viagem ao interior do Mato Grosso do Sul, mais precisamente a Fazenda Boa Sorte no município de Corguinho (mapa). Serei o mais claro possível, sem tentar pender para esta ou aquela posição. Quero deixar bem claro que já sai de Porto Alegre com os dois pés atrás em relação aos comentários sobre o local e quem o administra, o Sr. Urandir Fernandes de Oliveira. As razões de tantos boatos são claras, afinal, como poderia existir um local no Brasil com tantas aparições, tantos avistamentos, tantos contatos com Extra-Terrestres, tantas experiências da mais alta tecnologia sem uma boa foto, um bom vídeo? Assumi então a figura de alguem que estaria pronto para ver qualquer coisa, quase um demente como muitos que lá vão e desta forma, em alguns momentos contei coisas que não ocorreram para justamente testar o pessoal e pelo que sei, acreditaram. Os tais seres que la vivem não perceberam o que eu estava planejando. Ou são muito idiotas ou não existem.

Já havia sido convidado a mais de 10 anos para conhecer tal local, mas devido a quantidade de coisas que me falavam, o que se passa na cabeça é de que há muita confusão de leigos entre a realidade e o que eles pensam que observam lá. Nada melhor então para começar a falar do que ir e tentar ver e gravar os tais fenômenos, sejam lá quais forem. A idéia era justamente comprovar e observar os “intensos” avistamentos e contatos com seres não humanos. Não vou falar aqui em ETs ou seres extra-terrestres porque pelo que explicaram, são varias entidades ou criaturas, até mesmo da própria Terra (interior!). Segundo informações, 49 (7x7), civilizações ou raças interagiriam na região. Também é bom deixar claro que esta missão é apenas científica a nivel pessoal e não especulativa ou com a intenção de desmascarar isso ou aquilo como algumas midias tem feito pelo Brasil e mundo afora. Isso já esta mais que comprovado e não seria eu que iria fazer isso. Para mim, tanto faz se as pessoas acreditem ou não. Bom para elas que tem alguma coisa para se manterem. Eu queria apenas provar para meus colegas o quanto gaiatos são em cair em truques banais.

Por motivos óbvios não serão mencionados os nomes dos integrantes, mas posso dizer que, além de mim (Silvio Monteiro), foram dois empresários de Porto Alegre que trabalham com alta-tecnologia, um musico e um rapaz que mora e trabalha em Torres - RS. Todos, com exceção de mim, já foram varias vezes e me descreveram coisas impossíveis de acontecer, mesmo utilizando o que há de mais moderno em efeitos visuais. Claro que todos os dias novas tecnoligias são cridas e tem gente ainda hoje que acredita em Uri Geller e Criss Angel. Bom dizer que destes quatro, apenas os dois empresários já conhecia a mais de 10 anos e até prova em contrário, são pessoas completamente idôneas, não tendo porque inventar tais fatos ou em ultima instância, serem ludibriadas por simples projeções holográficas ou outras projeções seja com lazer ou outro tipo de luz . Mas diante do que vi e não vi e do que me foi narrado, podem ter sido enganados sim.

Estas pessoas fazem parte de um grupo diferenciado, que fazem contatos bem mais intensos do que a maioria do pessoal. É um grupo formado por empresario e pelo menos quatro deles são aqui de Porto Alegre e região. Já viram naves sólidas e não apenas em forma de luzes como a maioria. Aqui não me refiro a pontos de luzes fixas ou moveis que existem em qualquer lugar do mundo, mas objetos grandes, a menos de 4 metros entre a pessoas e o mesmo. Incrivelmente nenhum deles, mesmo sendo formados em universidades e terem um QI acima da media, jamais fotografaram ou filmaram alguma coisa, bem como jamais colheram algum objeto extra-terreno. Pior ainda, nenhuma novidade científica ou tecnológica lhes foi passada pelos tais seres que estao em contato a 12 anos!!!!! Não é estranho isso? Entretanto, estas mesmas pessoas estão apenas trabalhado para estes seres produzindo comerciais para a TV entre outros feitos.

Se foram enganadas por algum artifício de mágica, com certeza é algo muito bom, novo e caríssimo. Não conheço uma luz em forma de esfera por exemplo que gire em torno de uma pessoa ou uma linha de Lazer interrompida como foi relatada na ultima viagem. O que deixa muitas pessoas perplexas é o fato de surgir algo assim diante de seus olhos e o tal ser falar uma linguagem simples, sem muito significado, com palavras curtas. No ultimo contato com este pessoal, os seres pediram por exemplo para que se faça uma campanha na mídia televisíva em Mata Grosso, com dois comerciais e uma outra peça publicitária em Vídeo para divulgação nacional. Qual seria o interesse deles (dos seres), em querer que o Projeto apareça na TV? Porque não se deixam filmar ou aparecem de dia sobre a capital do Estado? Porque, com todo seu poder tecnológico não fazem brotar diamantes ou outro metal precioso na terra? Isso, nós simples seres humanos já temos este poder de transformar qualquer metal em ouro por exemplo. São estas questões que tem afastado muita gente boa e fazendo muitas pensarem em sair do Projeto ou nem mesmo fazer parte. Eu não entrei e não recomendo.


Saímos de Porto Alegre dia 23 de julho por volta das 10 horas da manhã e chegamos à Fazenda Boa Sorte nas primeiras horas da madrugada de Sábado, dia 25/07. A equipe era formada por cinco integrantes sendo que um deles foi de Avião, para nos encontrar em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, isso na noite de sexta-feira, dia 24/07. Depois do quinto integrante voltar a fazer parte da equipe, jantamos, compramos provissões no Carrefour e pegamos uma estrada de chão sob chuva, o que nos fez atolar na entrada da fazenda, isso por volta de meia-noite, sob gároa e uma temperatura de 5 graus!



Mesmo com tração nas 4 rodas, a Hilux sucumbiu a tanta lama. No mesmo local havia um micro onibus e outro carro de passeio também preso ao barro vermelho. Como estava carregada de provisões para nossa estadia, a mesma ameaçou virar o que nos obrigou a sair de uma temperatura agradável devido ao ar condicionado e termos que enfrentar a gároa e o frio intenso do lado de fora. Depois que um dos filhos do Sr. Urandir nos tirou do atoleiro, nos dirigimos para a sede do Projeto Portal.





Passado o susto, chegamos a sede da fazenda, um grande salão que serve de refeitório e de encontros. O Sr. Urandir estava lá dando uma palestra justamente sob os ataques de diversas mídias ao Projeto e a sua pessoa. Pelo que observei eram pessoas simples, algumas maltrapilhas, com cara de pouco estudo ou impressionáveis. Já por volta das 2 horas fomos dormir para acordar bem cedo neste mesmo dia. É normal uma pessoa circular durante o dia com um megafone estridente, mas que não chega a incomodar. É até engraçado pois ouve-se uma seqüência de notas semelhantes a dos Contatos Imediatos do Terceiro Grau, seguido da mensagem.

Geralmente chamam para o café da manhã que é gratuito ou algum evento ou trabalho que será realizado. Assim como na Umbanda e outras seitas, denomina-se "trabalho" a todo procedimento orientado pelos supostos seres espirituais ou pelo próprio Urandir. Pode ser uma simples parada num determinado local para observar o céu, concentração ou mesmo para um possível avistamento de uma "nave" que em geral são pontos que podem ser até mesmo satélites, planetas ou balões com luzes que piscam soltos em algum lugar por algum engracinho. Naves como as que vemos em filmes não são vistas e se foram vistas, incrivelmente não foram filmadas nem mesmo fotografadas. Muitas pessoas idôneas realmente veem estas naves, mas apenas nas suas cabeças.


Naquela manhã fria de sábado, os homens foram separados das mulheres em duas direções, sendo que nos fomos orientados a ir até uma clareira e sobre uma imensa rocha arenítica ficamos a observar o céu durante 47 minutos. Um grupo formado apenas de casais foram para outro lado. Mas como eu já esperava, não foi visto nada de anormal.

A primeira coisa que se procura fazer quando se chega, é descobrir nosso Simbolismo, o que é feito somente pelo Sr. Urandir e dois de seus 7 filhos. Há também um outro jovem "altamente" capacitado para esta tarefa que faz este trabalho, sempre em ambiente escuro. Coloquei entre aspas a palavra "Altamente" porque não o considero tão qualificado assim. É minha opinião, talvez esteja errado. Segundo contam, este jovem teria sido levado a uma caverna onde um dos seres teria passado este poder, procedimento este que levou mais de 6 horas. O jovem observa a testa da pessoa e anota num pedaço de papel alguns símbolos, como se psicografasse a informação. Geralmente ele interpreta os símbolos, mas no meu caso ele encontrou certa dificuldade, sendo que somente o Sr. Urandir conseguiu explicar um dia depois. Como eu já havia sido orientado sobre este procedimento, combinamos antes de sair que eu entraria na fila novamente para testar o poder do mesmo. Se realmente ele tivesse este dom de ver uma imagem sobre minha cabeça, os mesmos símbolos apareceriam e eu ficaria um pouco inclinado a acreditar. Mas ele fez outros símbolos completamente diferentes.

Dai perguntei o que aconteceria se eu perdesse e voltasse outro dia para pegar o simbolismo. Ele falou que minha energia teria um decréscimo fenomenal e não era recomendado e que seria bom guardar com cuidado o pequeno papel. Eu, se fosse fazer algo assim, pegaria o numero do CPF de cada pessoa e converteria em símbolos, desta forma, mesmo que a pessoa voltasse à fila, teria que apresentar um documento de identidade e poderíamos repetir os símbolos novamente e ficaria mais verossímel a coisa.



Depois fomos dar uma volta pelo belo local e o que nos chama a atenção evidentemente é um morro a aproximadamente 3 quilometros, mas que infelizmente não fica nas terras da fazenda. Resolvemos conhecer o pequeno morro onde ocorrem a maioria dos avistamentos e contatos com os seres. Meu amigo que é empresário em Porto Alegre e também em Caxias do Sul, e que praticamente me arrastou nesta viagem, mostrou a bela região, o que por si só já vale a viagem, mesmo que ninguém veja nada. Lugar lindo, maravilhoso, excelente para caminhadas, para meditar, fazer amigos etc. Num imenso platô de pedra de arenito vermelho, pode-se notar estranhas formas circulares, que segundo afirmam, seriam devido a pressão das sapatas (“pernas ou pés”) de naves extra-terrestres (foto acima). Na verdade, nada que alguem possa ter feito manualmente.


Uma trilha calçada em zig-zag sob a encosta ingrime e leva até o topo onde se divide em dois caminhos. Bom salientar que esta trilha é relativamente segura, visto que a farta vegetação seguraria qualquer pessoa que acidentalmente viesse a cair. Exploramos praticamente toda a região naquela manhã e durante o dia onde fiz centenas de fotos e videos.


Por volta das 16 horas uma senhora com um megafone avisa para todos irem para a frente do refeitório. Perde-se completamente a noção do tempo, pois as pessoas vão dormir as 3, 4 ou 5 da manhã e acordam cedo para o café. Me passou a impressão de que querem justamente isso, cansar as pessoas na intenção de promover ou facilitar a interação com os seres. Sabe como é, mentes fracas e cansadas são mais susceptíveis a ver coisas.

Também há muita movimentação como este encontro, onde as pessoas fazem um linha e são separadas em duas filas, dependendo do que é “visto” em sua aura. Não participei e apenas observei a quantidade e variedade de pessoas que participavam. O encontro acredito deve ter passado das 17:30 horas, pois tinha que me preparar para subir a pequena montanha. Havia um rapaz que me pareceu ter algum problema de altismo ou outro problema mental e quando caminhava ia falando: "Não vim aqui para ver luzinhas piscando; vim aqui para ver disco-voador igual aqueles pratos que vejo nos filmes...".

A noite, teríamos que subir para encontrar o jovem Lucas que descobriria minha Simbologia. Logo que anoitece muitos já estão subindo, afoitos na ânsia de fazer contato. Claro que tem pessoas de todos os tipos como médicos, psicólogos, engenheiros, pessoas que não dizem o que são, estudantes, céticos, curiosos e também, evidentemente, muitas pessoas completamente alienadas que tudo que vêem são Ets e ÓVNIS. Muitas pessoas não gostam de serem relacionadas com o Projeto mas isso é uma incoerência, visto que, se a pessoa sabe que esta com a razão, não importaria o que os outros falam ou pensam. Eu fui porque acredito nas pessoas que me contaram e me levaram e agradeço para sempre esta maravilhosa viagem e não escondo meu nome.

São 19:00 horas e já estamos no topo com muito frio. É emocionantes vermos filas de pessoas caminhando em meio a mata cada uma com suas potentes lanternas, na maioria de origem Paraguaia, recarregáveis. A cena lembra uma imensa procissão morro acima. Importante dizer que muitas pessoas estão cansadas de subir esta montanha talvez pela segunda, terceira ou mais vezes e também relativamente mau alimentadas, visto que a alimentação não é barata neste local. Apesar da boa comida natural, o almoço é na base do peso e tudo é caro. Uma latinha de Refrigerante sai por R$ 2,50 assim como qualquer pacote de bolacha. Também muitas estão com o sono alterado, já que ficam até altas horas da madrugada acordadas. É preciso estar em bom estado fisico para encarar esta viagem e aproveitar ao máximo tudo que o local oferece. Na verdade, crentes e céticos nunca ficam totalmente bem num lugar assim. Primeiro porque as crentes ficam anciosas de ver algo e qualquer estrela, avião ou balão iluminado solto na noite, se torna um OVNI; para os céticos, é perturbador ver tantas pessoas relatando coisas sem pé nem cabeça.


Como foi dito, nossa equipe passou antes no Carrefour em MS onde compramos os alimentos pois não há comércio próximo a fazenda e somente lá dentro e como dito, mais caro. Chegamos a uma clareira aberta naturalmente sob uma imensa pedra de arenito, onde é feita uma fogueira e dezenas ou mesmo centenas de pessoas ficam olhando para o céu, conversando, meditando ou fotografando o nada na ânsia de captar algum ser que será visto apenas nas fotos. Para muitos, qualquer borrão ou tamanduá bandeira pode ser um extra-terrestre ou outro tipo de ser e não adianta tentar explicar. O ideal nestes casos é apenas mostrar-se surpreso e evitar debates que com certeza não levarão a nada, apenas desgaste emocional (e as vezes fisico!).

Uma senhora avisa que deverão separar grupos para descer pelas trilhas de contatos (não aquelas pelas quais subimos). Estes grupos são formados por 7 ou 9 pessoas e todas já devem ter seu simbolismo conhecido e eventualmente já deveriam ter tido um contato antes. Como eu ainda não tinha, o jovem Lucas num local escuro observou minha testa, enquanto eu segurava a respiração orientado pelo mesmo. Depois ele observou e me disse que era estranha e nunca tinha visto um determinado símbolo, mas que eu estava ligado a musica, crianças e divulgação global (foto abaixo). Ele me informou que deveria procurar o Sr. Urandir para descobrir o significado dos outros símbolos. Como contei acima, voltei novamente e outra simbologia me foi apresentada. Se eu já estava desiludido com a coisa quando cheguei, foi isso que me fez ficar realmente triste com a coisa. Teria que ficar mais uma ou nuas noites participando daquele circo. Mas são os ossos do oficio.

Mais tarde "descobri" que eu era originário do sistema estelar de Arcturus e seria uma espécie de líder de união das raças espaciais. Segundo descobri, 49 raças (ou tipos de seres não humanos), estariam fazendo contato naquela região! Assim, estariam lá os já famosos ETs que todos ja ouviram falar e que pilotam naves e tambem seres formados mais por energia do que matéria, e que estariam bem mais elevados em relação a estes. Curioso é este numero 49 (7x7), que tanto aparece na Biblia e outros do genero. O Sete sempre foi um numero mistico e o pessoal gosta de usar para impressionar. Porque não 45 ou 50 raças numa galáxia enorme como a nossa?



Um fato curioso é que quando da viagem de ida pra o local, o rapaz que é musico e muito ligado ao misticismo, identificou meu signo no calendário chines como de "Boi" e esta estrela, a Arcturus, faz parte da Constelação do Boieiro, e que na mitologia greco-romana era filho de Demeter, deusa da Agricultura. Mas isso é apenas parte da curiosidade, pois cada um que recebe sua simbologia e faz contato com os seres, recebe também uma missão aqui na Terra. Mais tarde ficaria sabendo que meu compromisso com eles (os seres), seria justamente nesta área, a Agricultura. Cheguei a pensar num determinado momento numa possivel armação entre o pessoal que faz as Simbologias e este jovem. Qualquer pessoa com mais de dois neuronios sabe que não existe nada de real na Numerologia a não ser servir para ganhar dinheiro de pessoas que acreditam. Tem pessoas que inclusive alteram seu nome para "melhorar" de vida. Outros, trocam as placas do automovel, da casa etc.

Descoberto meu Simbolismo e minha origem, agora deveria descer a trilha e ter a sorte de fazer contato com os seres e saber meu compromisso. Segundo me informaram depois, nem sempre ocorrem as aparições e contatos, mas pelo que era dito, todos viriam. Pelo que era dito era como mandar uma pessoa apertar uma capainha que um ET atenderia. Talvez isso faça as pessoas ativarem áreas do cérebro especiais, ainda desconhecidas justamente para os tais contatos. Todos trabalham aparentemente de boa vontade no Projeto e munidos de rádios comunicadores, falam o tempo todo entre si, com outros que estão no meio das trilhas, na base da montanha e também com o Sr. Urandir que fica em uma determinada caverna avisando quando os seres estão prontos para entrar em contato. Aqui neste ponto é importante dizer que algumas pessoas, cabeças do esquema vamos assim dizer, somem nestes momentos das ditas aparições de seres e ONVIs. Onde estariam? O que estariam fazendo? Eles falaram que estariam em missões mais arrojadas com os seres. Hummmm...

Parece as vezes um filme de ficção científica, com as equipes e dezenas de pessoas com seus rádios trocando informações tudo tão simples como quem organiza uma entrada de um estádio de futebol. Isso é uma das coisas que perturba qualquer pessoa. Eu circulava varias vezes no escuro ouvindo as pessoas conversando entre si tipo "Tu viu, o fulano fez contato mas deram castigo pra ele..." ou "Esta dificil fazer contato hoje pois tinha uma garota de São Paulo caminhando numa trilha sozinha...". Um deles me relatou que os seres o castigaram a dar 47 voltas em torno da montanha pois ele teria ofendido os mesmos. Mas na oitava volta, liberam o rapaz. Claro que se não desejasse cumprir não fulminariam ele, apenas nunca mais faria contato. Os seres antes de tudo são extremamente bons mas exigem uma ordem no Projeto, mesmo que para os simples mortais pareça sem lógica.

E Incrivelmente a coisa começa a fluir e a Senhora que esta orientando avisa que somente aqueles que tem a simbologia podem descer. Ela avisa que todos irão encontrar os seres e que devemos fazer perguntas quantas eles permitirem. Se desejarmos tirar fotos, devemos pedir para os mesmos. Ela fala ainda que façamos boas perguntas pois iremos falar com Deus (isso mesmo, Deus!). Critiquei esta postura com o pessoal que me levou pois, por mais elevados que sejam, não chegariam aos pés de um possível criador (creio eu, mesmo não tendo religião alguma). Meus colegas falaram então que o Sr. Urandir, assim como nosso presidente Lula, desconhece tudo que acontece mas também desaprova isso. Os colaboradores sobem preparados para um coisa e muitas vezes se passam, talvez movidos pela emoção ou para que não façam perguntas tipo "Qual o melhor time do Brasil?". Desta forma, não seria uma orientação do Projeto identificar os seres como um Deus ou em ultima instância, deuses. Ocorreu numa das noites em que estivemos lá, onde dois jovens se pegaram a socos porque um deles tomou a dianteira de falar com os seres e não dava a vez para o outro!

Mais uma vez as pessoas orientam os procedimentos de contato. Devemos descer em silencio com as lanternas apontadas para o chão e se ouvirmos um ruído, voz ou um som de flauta, deveremos parar imediatamente e perguntar “Contato?”. Se nada responder deveremos seguir pela trilha, caso uma voz diga “Pare”, devemos parar até termos a ordem de seguir em frente. As vezes a gente para e a voz diz “Prossiga” até ouvirmos novamente o sinal harmônico para pararmos e assim, fazermos o tão esperado contato.

Chegou finalmente a nossa vez de descermos. Já deveria ser umas duas da madruga e depois de nosso grupo descer, desceriam meus outros 4 colegas. Aquela noite estava ruim pois não estavam ocorrrendo contatos, apesar de terem avisado que todos iriam ver. Quando o momento esta propicio, surgem muitas estrelas cadentes. O pessoal de lá aprendeu a diferenciar as estrelas cadentes comuns das tais “Caneplas”, que para o leigo são estrelas cadentes como as outras, apenas diferentes no brilho. Existem as Prateadas e Douradas sendo que as douradas são um bom sinal, de que eles vão surgir. Quando surgem as Prateadas, é sinal que estão partindo. Uma garota de touca natural de Brasilia estava emocionada e não se continha tamanha emoção de fazer seu contato com os seres. Ela mesmo nos uniu pedindo que tivéssemos boa sorte em nossa descida. Eu fui bem atráz e, sempre que podia, iluminava a mata (coisa que não poderia fazer, me falaram depois). Desta forma, não ouvimos nada durante todo o trajeto.

Como eu queria descobrir a verdade, faria de tudo, inclusive pegando uma peça no pessoal, seja contanto uma mentira ou aumentando algum fato. As trilhas são no meio do mato cerrado e em cada ponta da mesma, existem clareiras sobre rochas, onde há uma fogueira, tanto para orientar que chegamos ao final como para esquentar quem lá fica. Ocorreu que quando vimos a tal pequena fogueira, todos desanimamos, pois tínhamos descido com aquela ânsia de ver algo e havia terminado o “show”. Eu já espera por isso e não estava nem um pouco chocado ou triste, visto que desci procurando pessoas no meio da mata tentando nos iludir. Até a moça que estava imediatamente a minha frente, a mais tempo no Projeto, me criticou por isso e outro rapaz disse que os incrédulos estragam muitas vezes os avistamentos e contatos.

Como eu era o ultimo da fila, imaginei que veria uma fumaça semelhante aquela do filme Lost. Eu no momento disse “Puxa, mas os caras são bons mesmos!”, e me desloquei para a direita, tentando passar a frente da fila. Só claro que ninguem tinha visto nada. Então um rapaz de nome Gustavo com uma lanterna na mão, avisou que infelizmente devido a problemas de um rapaz de São Paulo, não teríamos contatos naquela noite.

Chegando na sede contei para todos, inclusive para as pessoas que tinham me levado lá, pois nesta empreitada não de pode confiar em ninguém mesmo. Não que as pessoas mintam mas elas podem acreditar em tudo e contar determinados detalhes que estragariam a investigação. O estranho é que ninguem do PP em especial o Sr. Urandir que dizem, se dá bem com os tais seres, suspeitou ou perguntou se eu tinha visto mesmo tal fenômeno. Os seres tambem não falaram nada, talvez por timidez ou porque estavam dormindo naquele momento.

Mas ainda durante a volta eu disse que iria ficar para traz e urinar. Prontamente disseram que não poderia fazer isso e que teriam que ficar comigo ali o que deixei para fazer em casa. Na verdade não queria urinar e sim voltar pela trilha, o que é proibido.

Naquela noite estava programado para eu adentrar na mata e tentar encontrar e gravar ao menos o audio dos radios do pessoal que coordenava os eventos pois eu estava desconfiando deles, pois sempre que ocorria alguma aparição eles não estavam perto e eu não podia ir junto. Comecei a subir o morro e uma parte da equipe passou por mim. Eles não tiveram contato. Disse para eles que iria subir sozinho novamente e me deram boa sorte. A escuridão era total, estava cheio de nuvens, garoando e muita mata. Confesso que senti um certo receio de subir sozinho e levar um tiro ou ser atacado por algum animal local. mpeonato eu já estou acreditando em tudo!

Estava no pé da montanha e já vi dois olhos brilhando no escuro. Gelei e fui em cima com a lanterna e era um gato. Neste momento, apareceu um rapaz de São Paulo, que segundo ele, já tinha tido um contato auditivo e não visual. Como ele estava a fim de subir também, subimos juntos. Descobri que ele se chamava Rogério e teria vindo de Bauru. Na subida, cruzamos por mais dois da equipe, sendo que um deles era irmão do amigo que me levou.



Quando chegamos no topo, havia duas divisões, uma para a esquerda (Platô), e outra para direita (Crateras), que se encontram em forma de anel (foto acima). Claro que tem outras ramificações mas combinamos nos encontrar. Daí pensei, como avisei que subiria, possivelmente os dois que desceram a trilha e me falaram que não tinham tido contato, e que eu não os conhecia, poderiam fazer parte do “jogo” e mandar o cara me dar um susto la em cima. Dizem que muitos descem correndo apavorados algumas vezes. Eu fui pela direita em direção ao Platô. Desconfiado, apaguei a lanterna e fiquei na escuridão total por alguns minutos. A maior escuridão que já vi! Mesmo que tenha passado uns 10 minutos os olhos não tinham se acostumado pois não havia nem uma particula de luz. Caminhava para frente e voltava e escutava. Passado alguns minutos, resolvi acender a lanterna e seguir em frente. Vez que outra ouvia ruídos e virava para a traz. Parecia que a trilha não iria terminar nunca mais. Achei que estava perdido e fiquei em duvida se voltava ou continuava. Derrepente ouvi vozes e apaguei a lanterna e entrei na mata para ver e ouvir quem passava. Era mais dois do grupo que estavam voltando, mas falavam coisas triviais, nada a ver com UFOs ou outras coisas que esperaria ouvir. Como começou a chover mais forte e estava com a câmera resolvi seguir em frente e acabei chegando a base da montanha sem cruzar com o tal rapaz.

Fui na casa, sentei, pensei mais um pouco e passada a chuva, voltei. Subi novamente para fotografar o nascer do sol e fiquei sentado em uma pedra de frente para o leste para esperar o sol nascer. Neste momento tive a ideia de inventar mais um causo como se diz aqui no sul.

Contaria o seguinte para o pessoal: "Estava sentado numa pedro por volta das 5 da manha, sozinho e nos escuro. Ouvi um ruído e brinquei “Contato?”, “Vai aparecer?” . Então ouvi uma voz feminina, clara dizendo: “Não vê quem quer. Só vê aquele que esta preparado e predestinado a ver”. Acendi a luz e não vi ninguém. "

Voltei para a casa e por volta das 6:30 fui ate o refeitório esperar o café que inicia as 7 da manha. Lá conheci um vizinho aqui de Viamão, o Sr. Edemar que já conhecia o local a muito tempo. Conversamos muito sobre vários assuntos e mostrei minha simbologia que também achou um pouco diferente. Depois de muitas fotos voltei e fiquei esperando o pessoal acordar por volta das 10 e 11 horas e começamos uma rodada de calorosas discussões. Contei os fatos (da visão do ser de fumaça e da voz feminina) e lhes perguntei se o que vi não seria algo do tal astral que eles acreditam que exista e me falaram categoricamente que não, jamais, que astral não se manifestaria ali. Mas porque somente eu teria visto? Mas como esperado, ninguem falou nada e mesmo indo ao conhecimento do pessoal do PP, todos aceitaram como uma experiencia real. Isso revela que qualquer pessoa, para se enturmar ou aparecer ou mesmo aquelas carentes podem claramente inventar o que bem entenderem e a coisa passa. Depois escrevem blogs, relatorios e a bola de neve vai aumentando.

Durante o dia subia e descia inúmeras vezes o morro e não conseguia descansar. Me falaram para dormir pois a noite seria longa e teríamos que subir e fazer contato e pegar meu compromisso, nem que tivesse que subir novamente na mesma noite. Entreguei a simbologia que foi desenhada no papel para levarem para o Sr. Urandir explicar. Eu fui explorar a região e fazer mais fotos.


A tarde, o megafone avisava que o ônibus local levaria todos ate a nova cidade dentro das terras do Sr. Urandir, que se chama Zigurats. Mas ao chegarmos a praça central, o motorista avisou que como a ponte tinha caído, o ônibus não conseguiria atravessar o leito do rio e somente alguns veículos poderiam passar. Voltamos e convidamos nosso amigo que tinha a Hilux 4x4 a nos levar. Ela atravessou tranquilamente o córrego e chegamos no local onde a cidade esta prevista para ficar pronta em 2012, quando haverá muitas mudanças no Planeta. Aqui o Urandir pegou claramente emprestada as ideias do filme 2012, um fracasso como filme é claro. Ninguem mais acredita nestas baboseiras de fim do mundo a não ser é claro o pessoal ligado ao Projeto.

A idéia era separar em grupos de 20 pessoas (19 + um líder), para imaginar como seria esta nova cidade, como a viríamos. Lá pelas tantas nosso grupo foi atacado por formigas o que obrigou a meus amigos a baixarem as calças para tentar matar as mesmas. Eu quando percebi comecei a bater fortemente nas pernas tentando matar as mesmas. Passado o ataque das formigas cada um deu sua opinião e voltamos para casa preparados para subir o morro.

A noite chegou e novamente a multidão subiu o morro. Disse que desta vez não usaria a lanterna e quando chegou nossa vez de descer a trilha, mais uma vez tiramos fotos do grupo, desta fez menor que o primeiro. Havia um rapaz de nome Athila a nossa frente, algumas pessoas de Brasília, um rapaz de Minas e duas mulheres, sendo que uma estava grávida, totalizando com o bebe ainda na barriga 9 pessoas.

Confesso que desci com muitas espectativas pois sabia que eles iriam armar alguma coisa (os Seres é claro). Sempre com a câmera ligada, ouvimos uma flauta (ou sinal eletrônico). Este som serve para ajustar a frequencia dos seres com nossa mente. Paramos e perguntamos “Contato?” e uma voz, feminina muito baixa falou “Prossigam”. A gravação ficou péssima mas pode-se ouvir o som de flauta, a voz feminina e outros ruídos. Também os tradicionais e antiquados lasers brilharam na mata. A gravação já esta disponivel no You Tube e voce poder ouvir aqui mesmo neste blog (rodapé), mas por favor, não ria.

Pelo que pude compreender, haviam dois seres um masculino e outro feminino. Isso com base apenas nas vozes, mas talvez muitas raças nem sexo possuam, como o tal Asthar Sheran que me falaram possui os dois sexos. O de sexo masculino, com voz mais grave era praticamente incompreensível; já a de sexo feminino falava bem nossa língua. O problema é que os seres talvez por tímidez não quisessem serem filmados e pediram para apagar todas as luzes. Apagamos todas as lanternas e mesmo assim continuou pedindo para apagar todas as luzes. Notei que ele se referia aos leds da câmera. Tive que esconder dentro do casaco e deixar apenas a lente de fora, para satisfazer o mesmo para começar a falar e passar nosso compromisso. Desligando a luz de "camera on", consegui enganar um ser de Orion, que viajou 1500 anos-luz, não é incrivel? Infelizmente a câmera que grava totalmente no escuro, em infra-vermelho pifou e não pude levar mas parece que um rapaz teria lavado e vai me passar as imagens.

A gravação de áudio de todo o contato dura mais de 5 minutos. Não tem imagem porque esta muito escuro. Há muito ruido de nossos pés sobre as folhas e as vozes são muito baixas, quase inaudiveis mas os microfones da camera conseguiram captar. Desta forma, foi um contato fisico, pois a voz dos seres movimentou o ar chegando até os dois microfones da camera (Estereo). Agora, afirmar que eram seres não terrenos é impossível. É possível que pessoas estariam na mata tentando nos iludir, mesmo contra a vontade do Sr. Urandir. Talvez não seja algo com espírito malicioso e sim para tentar ativar naquele grupo alguma pessoa paranormal. É possível, creio também, que faça parte justamente para tentar levar mais pessoas para o Projeto e depois, seriam mostrados os verdadeiros seres, já que meus amigos que me levaram já viram coisas muito superiores do que apenas vozes susurradas no escuro. Digo isso porque, se fossem seres realmente de outro planeta ou dimensão, saberiam que a câmera estava gravando.

Seja como for, valeu a experiência. O lugar é lindo e tem uma certa energia. Mas não tem nada, absoluamente nada de ET, muito menos de seres de outras dimensões. Não diria mística mas natural. Se voce puder, vá. Conhecerá lindas paisagens, um belo por do Sol, fará muitos amigos e com certeza desejará voltar. Aproveite, entre no esquema, dia que esta vendo coisas, participe de tudo, não contrarie ninguem e mais importante, não tire as esperanças de quem não tem mais nada para esperar desta nossa fria vida terrena. Talvez, com sorte e se voce merecer e estiver preparado, poderá fazer contato sim ou ver algo diferente do que vi. Se é um grande circo ou uma verdadeira "Ilha de Lost" em pleno serrado.


.

6 comentários:

Victor Culanys disse...

Grande Silvio !
Foi uma grata surpresa e um privilégio te conhecer. Espero que sigas nessa caminhada, nessa inspirada pesquisa, para que possamos ainda compartilhar grandes descobertas, desvendando as verdades ocultas do Universo.
Um grande abraço,
Victor Culanys.

Victor Culanys disse...

Grande Silvio !
Foi uma grata surpresa e um privilégio te conhecer. Espero que sigas nessa caminhada, essa inspirada pesquisa, para que possamos ainda fazer grandes descobertas, decifrando as verdades ocultas, desse e de outros universos.
Um grande abraço,
Victor Culanys.

Ricardo Bastos Vieira da Cunha disse...

Parabéns pela matéria Silvio, já esperava seu texto desde que avisou que iria ao PPortal.
Faço parte do PPortal desde 1999, e já fui mais de 20x para lá. Atualmente moro em Três Coroas, (minha mãe em Águas Claras...)
Cada um tem a sua caminhada. Uns acreditam no que falamos, outros não. Sem sombra de dúvidas, é um local que sacode nosso racional.
Desejo um dia te encontrar lá.
Um abraço,
Ricardo Bastos Vieira da Cunha
(ricardobvc@gmail.com)

Arielly disse...

enquanto uns proucuram contatos
outros sofrem com isso

sou uma dessas pessoas
tenho muito medo desses seres

eu sou contatada des de que eu era criança uma voz sempre falava baixinho na minha cabeça

tive meu primeiro contato de 1º grau (contato visual) quando eu tinha 12 anos duas nuvens uma em cima da outra jogando raios uma na outra, quando acenderam luzes azuis e vermelhas (pelo visto eram 2 objetos enormes)eu entrei em casa e minha família continuou vendo o espetaculo

meu ultimo avistamento foi ontem
(08/09/2009)

uma luz bem frakinha no ceu
deu um jogo de luz azul e branco ai fez um risco e sumiu

meu olho parece um ima pra essas coisas
naum fico um mes sem ve algo estranho
e tenho muito medo

se quiserem vir em minha cidade
aki tem muitos mitos
no proprio google earth tem indicios de um pouso bem pertinho da minha casa

tenho várias fotos desses fenomenos
se quserem me contatem

e quem sabe aki eh o lugar!!!

aki perto tem tbm um lugar com marcas de pouso
no kenium guartelá naum sei se jah ouviram fala
mais ateh logo

me contatem se quiserem fotos ok

(arienuno@hotmail.com)

bjs a tds

e Kundalini pra vcs

Anônimo disse...

Acho que vc foi um mestre ao dizer que o lugar é maravilhoso e tem uma energia NATURAL, também concordo.
Mas nada se equipara ao seu comentário final: Pra não tirarmos as esperanças de quem não tem mais nada
para esperar desta nossa fria vida terrena.
Graças a DEUS espero muito da vida terrena!
NUNCA MAIS VOLTEI.
Talvez volte no um dia em que precisar .È a condição humana...

Daniel R. Paiva disse...

Muito bom o teu texo. Muito mesmo!
Começei a ler algumas coisas sobre o PP, e inclusive conheço duas pessoas que já foi duas vezes e adoram. Eu particularmente, sempre tive um pé atrás. Também acho que não é real, até pq ficam muito claras as evidências contra. Parece um parque de diversões em que se paga um passaporte para se ver ou ouvir ETs.
Independente de tudo isso, que pode ser muito divertido ou sensacional para alguns, vale a dica... entregue-se e aproveite... Acho que o bom de toda essa experiência se resume em observar, aproveitar a natureza e poder experimentar seus próprios arquétipos vivos... seja sua sombra lhe fazendo caminhar pela mata escura, sua anima sussurrando e ordenando em trilhas, sua persona absorvendo e representando nesse grande teatro, ou o herói, tentando desvendar as ilusões!

Parabéns
Daniel Paiva
www.mitodobarro.blogspot.com